Hoje o mundo é, sem dúvida, dos videogames. Eles nunca geraram tanto dinheiro, nunca foram tão influentes em nossa cultura pop, nunca foram tão legais. Mas em como todo bom mercado de entretenimento – pulsante, acelerado -, é possível perceber que hora ou outra algo se perde pelo caminho… quando a grana que rola por trás é altíssima sabe? Leia-se qualidade. Estamos falando de jogos imensos que para alguns dizem muito, muito pouco.
Por isso sempre existirá o mercado independente. Pode ter certeza que, paralelamente a qualquer indústria, sempre teremos o criativo e necessário cenário independente (de qualquer coisa) neste caso em particular: dos games. Esse é o interessante mote de Indie Game: The Movie, documentário canadense que acompanha basicamente três jogos exponenciais do meio: Braid, Super Meat Boy e Fez.
Quando Indie Game foi gravado, Braid já havia sido lançado, e seu criador Jonathan Blow já possuía certa áurea Jedi perante a comunidade gamer. Altamente cotado por sites especializados, o título é um marco nesta ascensão dos jogos independentes, feitos por equipes enxutas (de duas ou três pessoas), com baixo orçamento e retorno financeiro e midiático mais que satisfatório.
No entanto o foco da fita não está no sucesso dos “produtos”, mas sim na análise profunda do impacto causado por este extenuante, complicado e solitário processo de trabalho. Para se conseguir um jogo com personalidade própria é preciso doação, e não apenas limar imagens até alcançar a perfeição. É como um filho que nasce, e muitos desses profissionais acabam sofrendo de depressão pós-parto. Blow mesmo disse ter enfrentando momentos difíceis após o lançamento de “Braid”, principalmente por que sua obra não foi compreendida totalmente, foi encarada como um puzzle inovador, diferenciado, mas não do jeito que ele imaginava.  Por mais mesquinho que isso possa parecer, tudo é resultado de um desenvolvimento verdadeiramente estressante, alicerçado por uma pressão enorme causada por diversos motivos – leia-se fim da vida social, negociações com a Microsoft e por aí vai.
O caso de Edmund McMillen e Tommy Refenes não é muito diferente, psicologicamente falando. A dupla que forma o Team Meat é meio que o centro do documentário. Seu jogo, “Super Meat Boy”, foi acompanhado em seus últimos sete meses (decisivos) de finalização. Temos então estes dois indivíduos complexos que amam os games de uma maneira extrema, como uma forma autêntica de expressão. O passado e presente de ambos são esmiuçados. Vemos histórias emocionadas de como os jogos são importantes, como influenciaram suas famílias, a formação de caráter. No final tudo se resume a integridade autoral. Tommy em certo momento diz, “Tenho de fazer isso eu mesmo, pois não me vejo trabalhando na EA ou na Epic, isso me soa como o inferno. Se existe um público que prefere comprar “Modern Warfare” ou “Halo Reach” tudo bem, mas esses jogos são uma merda, e essas pessoas não irão comprar meus jogos, pois eu não faço jogos de merda”. “Super Meat Boy” se tornou um fenômeno maciço de vendas e crítica.
Por fim temos o sofredor Phil Fish e seu já lendário “Fez”. Fish talvez exemplifique de maneira mais abrangente o que é ser um desenvolvedor indie. Seu projeto extremamente pessoal – Fez é Fish – primeiramente se revelou uma promessa animadora em 2008. Depois de alguns anos se tornou uma dúvida sarcástica, e hoje… finalmente foi lançado com sucesso. O cara enfrentou todos os tipos de problemas possíveis durante este árduo período: seu parceiro de equipe o abandonou (o que acarretou posteriormente problemas judiciais relacionados a direitos autorais), seu pai teve leucemia, a namorada o largou. Problemas e mais problemas que fizeram de Fish uma pilha de nervos ambulante. Ao acompanharmos sua epopeia na feira de games PAX East, com uma demo sofrível e cheia de bugs, percebemos que o cara enfrenta sua última tentativa de fazer a coisa dar certo. Se o jogo não fosse bem ele literalmente sumiria do mapa. Um futuro incerto e cruel.
Indie Game: The Movie é um documentário acima da média. Os diretores Lisanne Pajot e James Swirsky analisaram mais de 20 histórias diferentes, selecionando apenas três delas, e o resultado não poderia ser melhor. Muito bem registrado, editado e acompanhado pela excelente trilha de Jim Guthrie (“Superbrothers: Sword & Sworcery EP”), o filme é um passeio prazeroso e ao mesmo tempo melancólico por este universo gamer tão único e expressivo, que mesmo sofrendo de certas contradições morais, almeja principalmente a satisfação dos jogadores, buscando influenciar novos olhares e pensamentos. Novas vertentes. Todos esses sentimentos misturados constroem um cenário independente relevante e – repito – extremamente necessário.
O doc já teve algumas exibições pelo Brasil – todas muito bem acolhidas pela crítica e está, desde o dia 12 de julho a venda pelo próprio hotsite.
Veja o trailler:
Mais informações (ou compra) em: http://buy.indiegamethemovie.com/

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s