Independentemente se você trabalha em agência, redação, editora ou faz freela, ora ou outa você topa com essa palavrinha, o “release”. Ele é um termo técnico para designar um comunicado sobre um acontencimento ou produto. Por se tratar de uma “propaganda” da notícia em si, fica a cargo de quem recebe o release elaborar uma outra notícia, nota ou até reportagem sobre o que está sendo mostrado lá. Cabe lembrar que quem solta o release é a agência/redação que detém o conhecimento do fato que o mesmo deve conter. Por exemplo: Eu sou a agência X e preciso divulgar o lançamento do produto Y do cliente que me contratou e ofereceu todos os dados deste mesmo produto. Logo eu, agência X, utilizo meus contatos e mailing para enviar releases do produto Y para que a divulgação seja feita. Eu, agência X, conheço muito bem o produto.

Parece bem fácil de compreender, correto?!

Todavia, com a multiplicação “milagrosa” das agências no Brasil, o termo vem sendo utilizado de maneira muito errônea. Aliás, não só esse termo, mas a maioria deles. Aliás, tudo vêm sendo confundido, misturado e tratado como se fosse uma coisa só. Mas não é assim. Como muito bem lembrado pela minha querida Caroline Mancini dentro de um grupo do facebook:

RP (assessoria): cuida do relacionamento entre clientes e veículos. Para isso, o RP envia sugestão de pauta para revistas, jornais e, hoje, para blogs. As pautas podem conter fotos, infos exclusivas e estabelecem – tanto com blogueiros como com veículos – uma relação de troca, onde a pauta pode ser utilizada e, no futuro, pode desencadear em outras informações exclusivas, envio de press kit, convite para eventos, etc.. Assim como para a imprensa, a pauta sugerida pela assessoria não é paga, independente do veículo – é para isso que existe o follow up, que é quando o RP entra em contato contigo pra “vender” aquela pauta.
Agência: também é intimamente ligada ao relacionamento entre marca e veículos, mas com um diferencial – a agência vê nos blogs, jornais e revistas oportunidades de mídia, ou seja, os veículos recebem para colocar as fotos ou textos que a agência manda. As ações de relacionamento também envolvem convites para eventos ou envio de press kit (brinde, jabá), mas visando um contato financeiro pro futuro, ou seja, compra de banner, publipost, etc.. Sim, é bem parecido com o RP, com o diferencial de que a agência não necessariamente irá enviar releases, pautas ou infos exclusivas, a não ser que…
Agência + RP (social media): a agência digital do cliente, hoje, também faz o trabalho de assessoria de imprensa. O diferencial – e a grande melhoria, nesse caso – é que os contatos são focados muito mais no relacionamento, há o envio de pautas, etc., e há a grande possibilidade de, se o blog entrega, haver o retorno financeiro, ou seja, compra de espaço de mídia.
É isso. Relacionamento se estabelece quando você e a agência estão em sintonia, quando há o interesse mútuo de colaboração e quando o veículo entende quando um release ou press kit é útil ou não – e a publicação ou não destes não deve interferir no caso de um contato para compra de mídia. São coisas diferentes, estão intimamente ligadas, mas são bem diferentes. Se você ver o mesmo post que foi enviado para você como release como publicidade em outro blog, OPA, vá conversar com a pessoa da agência, entenda porquê isso aconteceu… O veículo é SEU, você tem que se sentir a vontade para publicar (ou não) o que der vontade, mas não é porque você recebeu um release que o contato é necessariamente comercial. E é por isso que, hoje, você tem os dois tipos de profissionais nas agências de SM, o RP e o Mídia.”

Por esse tópico aberto por ela podemos perceber que a confusão é sistemática. Vou dar um exemplo que aconteceu comigo não faz nem um mês. Eu trabalho com digital signage, numa agência de digital signage. Produzimos conteúdos, roteiros, animações – tudo com foco [principal] em endomarketing. Para quem não sabe, “digital signage” é o termo que indica “Sinalização digital”, ou seja, as telas que você vê em elevadores, mercados, cinemas, dentro de laboratórios, restaurantes, empresas, etc. Muito embora eu cuide menos da produção de roteiros e trabalhe diretamente com sites, vira-e-mexe, um “deslize” desses acontece. Quem trabalha com conteúdo, tem a obrigação de saber MUITO BEM empregar os termos que são inerentes ao seu serviço. Muitos acreditam que o problema está quando você contrata gente que cai de para-quedas, fora do enquadre, ou quando as empresas querem criar um departamento online as pressas. Este texto do Café com Blogueiros explicita muito bem essa situação. Entretanto, essa é apenas uma parte do todo. Claro que todos têm o direto de mudar de ramo e existem muitos talentos deslocados por aí. Mas acredito que Diretores despreparados também tem muita “culpa nisso”. Olha só, lá estou eu alimentando um site com algumas notícias quando mando uma nota para o Diretor e ele, querendo ser muito “profissa” simplesmente diz: “ok, mas não está no perfil que eu quero. Faz um release disso e coloca no ar”. Eu tive a certeza achei que ele havia se equivocado com os termos e respondi: “fulano…., release? Acho que você quer uma matéria sobre o assunto né?!”. Ele foi enfático: “não, quero um release mesmo. Eu sei o que estou falando.”

Se a falta de experiência é uma parte do todo, essa, a de quando o seu chefe diz “eu sei o que estou falando” (quando, na verdade não sabe) é a outra. Como eu faria um release de um produto que não é meu? Psicografia? Telepatia? Isso é absurdo, no mínimo. Mas como diretor é diretor lá fui eu fazer o que ele mandou. Lógico que não saiu um “release” mas sim uma matéria com o máximo de dados que consegui sobre o tal produto. Prova maior de que ele não tinha ideia do que falava era o fato de que nem sequer soube analisar a diferença do que eu escrevi para o que seria um release de fato.

Há despreparo dos dois lados: gente que acha que pode ser “qualquer coisa dentro de uma agência/redação pois gera buzz” e gente que manda mas não sabe exatamente o que faz. Para que o trabalho afine, é necessário que os dois lados atinjam o equilíbrio e nenhum dos dois queira apenas aparentar um verniz profissional cantando termos os quais desconhece. Aceite seus erros, volte atrás se precisar mas, principalmente ESTUDE. Sempre. A qualificação profissional é muito importante para que você entenda e delegue as tarefas corretas ou que você assuma jobs e saiba o que faz. Ou você correrá o risco de pedir pizza, e te entregarem um release dela😉

3 responses »

  1. […] Feed By Frames – Um release, por favor! […]

  2. […] Feed By Frames – Um release, por favor! Do Que Os Gays Gostam – Mulher acorda de coma e diz ‘ Virei Lésbica’ Bacon Frito – Estréias da semana – 28/09 Cintura Larga – De batom vermelho Sai Daqui – “Quems” sou eu Manual das Encalhadas – Consultório da @DraDoAmor – Homens não são todos iguais Tem Graça ou Não!? – Gangam Style versão Chaves A Verdade Nua e Crua – Tá sabendo da novidade? […]

  3. […] De batom vermelho “Quems” sou eu Bichanos para o #Catloversday Estreias da semana 28/09 Um release, por favor! Quando estiver usando o PC de outra pessoa Quem são os dublês por trás dos Avengers The X-Factor […]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s